Diabetes Tipo 2 - VIDA COM SAÚDE

Diabetes Tipo 2

O que é diabetes tipo 2?

 

A condição, marcada pelo alto nível de açúcar no sangue, está aumentando em todo o mundo.

 

Diabetes é uma doença caracterizada por açúcar elevado no sangue, que os médicos chamam de hiperglicemia .

No diabetes tipo 2, os dois principais contribuintes para o açúcar elevado no sangue são a resistência à insulina e uma queda na produção de insulina do seu corpo .

Quando você tem diabetes tipo 2, a insulina não é processada adequadamente no seu corpo.

Então o seu pâncreas produz insulina para compensar, porem ao longo do tempo não consegue produzir o necessário para manter a glicose em níveis normais no seu sangue.

Esses dois fatores são o que tornam o diabetes tipo 2 diferente do diabetes tipo 1 , diabetes gestacional e outros tipos de diabetes.

O que é resistência à insulina?

A insulina – o hormônio que permite que o corpo regule o açúcar no sangue – é feita no pâncreas .

A resistência à insulina é um estado no qual as células do corpo não usam insulina de maneira eficiente.

Como resultado, é preciso mais insulina do que o normal para transportar a glicose (o principal tipo de açúcar encontrado na corrente sanguínea) para as células, onde ela pode ser usada como combustível ou armazenada para uso posterior.

A resistência à insulina se desenvolve com o tempo e, à medida que o corpo se torna mais e mais resistente à insulina, o pâncreas reage liberando mais e mais insulina.

Este nível de insulina acima do normal na corrente sanguínea é chamado de hiperinsulinemia.

Por um tempo, o pâncreas pode ser capaz de acompanhar o aumento da necessidade de insulina pelo corpo, e os níveis de açúcar no sangue podem ficar dentro da faixa normal – cerca de 70 a 100 mg / dl antes das refeições e inferiores a 140 mg / dl após as refeições.

Eventualmente, no entanto, o pâncreas não consegue mais acompanhar e os níveis de açúcar no sangue começam a subir.

 

O que causa diabetes tipo 2?

 

 

Não se sabe ao certo porque algumas pessoas desenvolvem diabetes tipo 2 e outras não.

Existem vários fatores, no entanto, que podem aumentar o risco de uma pessoa desenvolver diabetes tipo 2:

Obesidade 

Ser obeso ou com excesso de peso o coloca em risco significativo de desenvolver diabetes tipo 2. Quatro em cada cinco pessoas com diabetes tipo 2 estão acima do peso ou obesas.

Pré-diabetes 

Pré-diabetes é uma condição na qual os níveis de açúcar no sangue estão acima do normal, mas não atingiram o nível necessário para o diagnóstico de diabetes.

Não há sintomas nesta fase, então você tem que descobrir com um médico se você tem isso.

Hábitos alimentares pobres

Comer muito dos tipos errados de alimentos pode aumentar o risco de diabetes tipo 2.

Estudos têm mostrado que comer uma dieta de calorias, alimentos e bebidas refinados, como refrigerantes ou sucos de frutas, e muito pouco de frutas cruas, vegetais e grãos integrais podem aumentar significativamente o risco de diabetes tipo 2.

Muito tempo na TV

Um estudo com adultos entre as idades de 20 e 54 anos mostrou que as pessoas que assistiam à televisão mais de duas horas por dia eram mais propensas do que seus pares a serem obesas e ter diabetes.

Inatividade Física 

Assim como a gordura corporal interage com a insulina e outros hormônios para afetar o desenvolvimento do diabetes, o mesmo acontece com o músculo.

A massa muscular magra, que pode ser aumentada através de exercícios e treinamento de força, desempenha um papel na proteção do corpo contra a resistência à insulina e diabetes tipo 2.

Hábitos de sono

Os distúrbios do sono têm mostrado afetar o equilíbrio do corpo de insulina e açúcar no sangue, aumentando a demanda no pâncreas. 

Com o tempo, isso pode levar ao diabetes tipo 2.

Síndrome do Ovário Policístico (SOP) 

Segundo algumas estimativas, uma mulher diagnosticada com SOP – um distúrbio de desequilíbrio hormonal – tem um risco sete vezes maior de desenvolver diabetes tipo 2 do que seus pares.

O diabetes é genético?

 

O diabetes tipo 2 tem um forte componente genético: se um gêmeo idêntico tem diabetes tipo 2, o outro gêmeo tem 75% a 90% de chance de desenvolvê-lo.

E se um dos pais tiver diabetes tipo 2, os filhos dele terão cerca de 15% a 20% de chance de desenvolvê-lo na idade adulta.

Se ambos os pais o têm, seus filhos têm 50% de chance de desenvolvê-lo.

Pesquisadores também observaram que certos grupos étnicos ou raciais têm um risco maior de diabetes tipo 2 do que outros.

Por exemplo, afro-americanos, latino-americanos / hispânicos e certos grupos de nativos americanos têm um risco maior de diabetes tipo 2 do que caucasianos brancos.

É importante ressaltar que os fatores ambientais também desempenham um papel importante.

Quando os japoneses se mudam para os Estados Unidos e são expostos a uma dieta e estilo de vida ocidentais, a incidência de diabetes tipo 2 aumenta entre esse grupo.

Mas os membros de sua família que permanecem no Japão não experimentam um aumento nas taxas de diabetes tipo 2.

Prevalência

Mais de 29 milhões de pessoas nos Estados Unidos – quase 10% da população total – têm diabetes, segundo os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC).

A grande maioria dessas pessoas (90 a 95%) tem diabetes tipo 2.

Cerca de 8,1 milhões de pessoas com diabetes não são diagnosticadas.

A diabetes é agora a sétima principal causa de morte entre os americanos, de acordo com o CDC.

Em todo o mundo, cerca de 347 milhões de pessoas atualmente têm diabetes, segundo a  Organização Mundial da Saúde  (OMS).

E as crianças, que raramente foram diagnosticadas com diabetes tipo 2 no passado, agora são responsáveis ​​por uma proporção crescente das pessoas diagnosticadas com diabetes tipo 2.

 

Complicações do diabetes tipo 2

As complicações a longo prazo da diabetes tipo 2 podem ser prevenidas e, em alguns casos, revertidas ou retardadas por uma combinação de:

  • Controle de açúcar no sangue
  • Controle da pressão arterial
  • Controle de colesterol no sangue

Você deve discutir seu nível de controle (e como mantê-lo ou melhorá-lo) com seu médico em cada consulta.

Doença Cardiovascular

 

 

 A doença cardiovascular é a principal causa de problemas de saúde e morte entre pessoas com diabetes tipo 2.

Enquanto algum grau de arteriosclerose ocorre em todas as pessoas com a idade, o diabetes acelera a taxa na qual ele se desenvolve e progride.

Diminuir o risco de doença cardiovascular – ou tratá-la, se você a tiver – inclui uma combinação de mudanças de estilo de vida junto com a medicação.

Retinopatia Diabética 

 

 

Na retinopatia diabética, o açúcar elevado no sangue enfraquece os capilares (os minúsculos vasos sanguíneos) que suprem a retina, a camada de tecido sensível à luz na parte de trás do olho interno.

Os capilares então incham, ficam bloqueados ou vazam sangue para o centro do olho, obscurecendo a visão. 

Em estágios avançados, novos vasos sanguíneos anormais crescem.

Quando esses novos vasos vazam sangue, o resultado pode ser perda severa da visão ou cegueira.

Neuropatia Diabética  

 

Neuropatia , ou dano do nervo, pode afetar qualquer nervo em seu corpo. Mais comumente, afeta os nervos dos pés, pernas, mãos e braços; esta condição é chamada neuropatia periférica.

A neuropatia periférica pode causar formigamento, queimação, dor ou dormência nas áreas afetadas.

A dor da neuropatia periférica é difícil de controlar, apesar de alguns acharem que os produtos tópicos que contêm capsaicina são úteis.

Produtos de prescrição que podem ajudar a aliviar a dor causada pela neuropatia periférica incluem uma variedade de antidepressivos e anticonvulsivantes.

Nefropatia Diabética (Doença Renal)

 

 

Na nefropatia diabética, os néfrons (ou unidades filtrantes) nos rins são danificados pelo açúcar elevado no sangue.

A hipertensão arterial agrava o problema, e o colesterol alto também contribui para isso.

Pode ser que no inicio da nefropatia diabética você não venha notar nenhum sintoma, mas exames padronizados de sangue e urina podem detectar sinais precoces de disfunção, e o tratamento precoce pode interromper ou retardar sua progressão.

Úlcera Diabética  

 

 

Quem tem diabetes, tem um risco maior de desenvolver úlceras nos pés (feridas abertas).

Uma úlcera diabética é frequentemente indolor, e as pessoas podem nem saber que as têm a princípio.

Essas úlceras nos pés podem levar várias semanas para cicatrizar e são o principal motivo de permanência hospitalar entre pessoas com diabetes.

 

 

 

Artigos Relacionados:

Ajude-nos compartilhando com seus amigos