Câncer de Mama

Câncer de Mama

Tipos de câncer de mama

 

Existem vários tipos de câncer de mama. 

O mais comum é o carcinoma ductal, que se origina nos ductos. Outro tipo é o carcinoma lobular que fica nos lobos. O resto é raro e não será explicado neste texto.

 

Quando o câncer se estende para além da mama, as células geralmente são encontradas nos linfonodos localizados sob o braço (linfonodos axilares). 

Se o câncer atingiu esses nós, pode ser que suas células tenham se espalhado para outras partes do corpo (outros linfonodos e outras partes do corpo, como ossos, fígado ou pulmões).

Quando o câncer se espalha, é a mesma doença e recebe o mesmo nome que o câncer de origem (primário). 

Quando o câncer de mama se espalha, ele é chamado de câncer de mama metastático, mesmo que o tumor secundário esteja localizado em outro órgão. 

Esse processo também é conhecido como doença à distância.

Sintomas de câncer de mama

O câncer de mama em estágio inicial não causa dor. 

De fato, quando o câncer de mama começa a se desenvolver, ele não apresenta sintomas. 

Mas, à medida que o câncer cresce, pode causar mudanças que as mulheres devem monitorar:

  • Nódulo ou espessura na área mamária ou axilar
  • Uma descarga líquida do mamilo
  • Uma mudança na cor ou sensibilidade da pele da mama, aréola ou retração do mamilo.

Uma mulher que percebe alguma dessas alterações deve consultar o médico. Na maioria das vezes, não é um câncer, mas apenas o médico pode garantir.

 

Nódulo palpável da mama

 

Seu estudo deve basear-se na história clínica e nos exames complementados por mamografia e ultra-som.

No caso de um tumor sólido benigno (fibroadenoma, tumor filodificado, hamartomas, lipomas, etc.) o tratamento é de vigilância ou excisão de acordo com o tamanho.

No caso de tumor sólido indeterminado (probabilidade intermediária de malignidade) ou tumor sólido com características clínicas de malignidade, citologia (PAAF) ou biópsia percutânea é necessária. 

Se for benigno, deve ser feito um acompanhamento mamográfico. 

Em caso de resultado indeterminado, a biópsia cirúrgica e a remoção prosseguirão. E, finalmente, em caso de malignidade, seu tratamento é cirúrgico.

No caso de tumores císticos, a aspiração do líquido e a citologia nos dão a orientação. 

Se sua aparência for co-formações hemáticas ou papilares sem confirmação de malignidade, será seguida por biópsia cirúrgica. 

Se o resultado for maligno, o tratamento é cirúrgico. E se a aparência não é hemática e conclusiva, não requer tratamento.

 

Lesão não palpável da mama diagnosticada por mamografia de rastreamento

 

Podemos encontrar microcalcificações, distorção do parênquima mamário ou nódulos não palpáveis.
Microcalcificações: Se a mamografia é aparentemente benigna, seu tratamento é o acompanhamento da mamografia. 

Se eles eram aparentemente malignos, são marcados com arpão e é feita uma biópsia direcionada. Se fosse benigno, nada mais. E se fosse maligno, o tratamento é cirúrgico.

  • Distorção do parênquima mamário: é confirmada por ressonância magnética com gadolínio e depois biópsia com arpão. Se é nada mais benigno e se é tratamento cirúrgico maligno.

 

  • Nódulos não palpáveis:se for aparentemente maligno, deve ser confirmado por ressonância magnética e subsequente biópsia com um arpão. Se parecer benigno e não puder ser diagnosticado adequadamente, são indicados ultra-som e punção guiada. Se fosse benigno, nada mais, e se fosse tratamento cirúrgico maligno.

Descarga do mamilo

 

95% têm uma causa benigna. No caso de ser sangrento, espontâneo e unilateral, o risco de malignidade está entre 4 e 12%. 

Seu estudo é complementado por citologia, mamografia e ultra-som.

  • Citologia: Se for observação benigna e se a secreção de biópsia cirúrgica persistir. Se houver biópsia cirúrgica atípica
  • Mamografia e ultra-som: se houvesse nódulo ou lesão intraductal, uma biópsia cirúrgica seria realizada. Se normal, será complementado por ressonância magnética ou galactografia.

Lesão eczematosa do complexo aréola-mamilo

Dessa forma, 2% dos tumores de mama ocorrem. O diagnóstico é complementado por triagem e mamografia para avaliar a presença de um nódulo mamário.

  • Com nódulo mamário:50-60% dos casos são câncer de mama. Uma biópsia com agulha fina ou grossa deve ser realizada. Se for maligno, o tratamento deve seguir o protocolo. Se for benigno ou indeterminado, a remoção e o tratamento da biópsia serão realizados dependendo do resultado.

 

  • Sem nódulo mamário:40% dos casos é um câncer de mama. A remoção da biópsia é indicada. Se for benigno, nada mais. E se for tratamento definitivo maligno de acordo com o protocolo.

Diagnóstico de câncer de mama

Uma área anormal na mamografia, nódulo ou outras alterações na mama podem ser causadas por câncer ou por outros problemas menos graves. 

Para descobrir a causa de qualquer um desses sinais ou sintomas, o médico realiza um exame físico cuidadoso e pergunta à mulher sobre seu histórico médico e o de sua família. 

Além de uma revisão geral, o médico realiza um ou mais dos exames de mama descritos abaixo.

Palpação

O médico pode descobrir muitas coisas sobre um nódulo no peito (tamanho, textura, mobilidade) através de sua palpação cuidadosa e também dos tecidos circundantes. 

Nódulos benignos são diferentes dos cancerígenos.

Mamografia

O raio-x da mama pode fornecer informações úteis para o médico sobre um nódulo mamário. 

Se alguma área suspeita ou pouco clara estiver visível, alguns raios-x adicionais podem ser necessários.

Ultrassonografia

Com esta técnica (ondas sonoras de alta frequência), você pode diferenciar entre um caroço sólido (suspeito) ou líquido (provavelmente um cisto benigno). 

Essa digitalização deve ser feita junto com a mamografia.

A partir dos resultados obtidos, o médico pode decidir que não são necessários exames adicionais ou a aplicação de qualquer tratamento. 

Nesses casos, o médico monitorará a mulher regularmente para monitorar a existência de quaisquer alterações. 

No entanto, outras vezes, o médico precisa obter uma amostra de líquido ou tecido da mama para fazer um diagnóstico.

Aspiração por agulha fina ou biópsia.

O médico usa uma agulha para obter líquido ou uma pequena quantidade de tecido de um nódulo mamário. 

Com este procedimento, você pode ver se o nódulo é um cisto cheio de líquido (não é câncer) ou é uma massa sólida (que pode ser câncer ou não). 

Usando técnicas especiais, o tecido de uma área suspeita que é vista na mamografia e não pode ser sentida pode ser removido com uma agulha.

Se o tecido for removido com uma agulha de biópsia, ele será examinado em busca de células cancerígenas. 

O líquido transparente obtido de um cisto não precisa ser examinado em laboratório.

Biópsia cirúrgica

O cirurgião remove parte ou todo o caroço ou área suspeita.

Um anatomopatologista examina o tecido através de um microscópio, procurando células cancerígenas.

 

Tratamento do câncer de mama

 

 

Existem muitos tipos de terapias usadas para tratar o câncer de mama. 

O tratamento dependerá do tamanho e localização do tumor na mama, dos resultados de estudos de laboratório (incluindo análise de receptores hormonais) e do estágio (ou extensão) da doença. 

Solicitaremos radiografias e exames de sangue.

Também realizará exames especiais do fígado, pulmões ou ossos, pois o câncer de mama pode se espalhar nesses locais. 

Para desenvolver um plano terapêutico adequado às necessidades de cada paciente, o médico deverá levar em consideração a idade da mulher e sua condição geral, bem como sua opinião sobre as diferentes opções de tratamento.

O médico é a pessoa mais apropriada para responder a perguntas sobre o tratamento de um paciente em particular: quais são as opções de tratamento e quais os resultados esperados. 

A maioria dos pacientes também quer saber como sua aparência física cuidará do tratamento e se eles terão que modificar suas atividades diárias.

Aqui estão algumas perguntas que a mulher desejará perguntar ao médico antes do início do tratamento:

  • Quais são as opções terapêuticas?
  • Quais são os benefícios esperados de cada tipo de tratamento?
  • Quais são os riscos e possíveis efeitos colaterais de cada tratamento?

Planejando o tratamento

Antes de iniciar o tratamento, o paciente desejará ter uma segunda opinião sobre o diagnóstico e o plano de tratamento. 

Agendar uma visita com outro médico pode ser uma questão de uma ou duas semanas. 

Estudos mostram que um pequeno atraso (de algumas semanas) entre a biópsia e o tratamento não precisa causar menos eficácia ao tratamento do câncer de mama. 

Existem várias maneiras de encontrar um médico para uma segunda opinião:

  • O médico do paciente pode encaminhá-lo para um ou mais especialistas. Os especialistas que tratam o câncer de mama incluem o cirurgião ou ginecologista, o oncologista e o oncologista por radiação. Às vezes, esses médicos trabalham juntos em um centro ou em centros especiais para doenças da mama.

Métodos de tratamento

Os métodos de tratamento para o câncer de mama são locais ou sistêmicos. 

Os tratamentos locais servem para remover, destruir ou controlar as células cancerígenas em uma área específica. 

Cirurgia e radioterapia são tratamentos locais. Tratamentos sistêmicos são usados ​​para destruir ou controlar as células cancerígenas em qualquer parte do corpo. 

Quimioterapia e terapia hormonal são tratamentos sistêmicos. Um paciente pode receber uma forma de tratamento ou uma combinação deles. 

As diferentes formas de tratamento podem ser aplicadas ao mesmo tempo ou sucessivamente.

 

 

Cirurgia do câncer de mama

 

cirurgia é o tratamento mais comum para o cancro da mama . Existem vários tipos de cirurgia.

O médico explica cada um deles detalhadamente, informa sobre os benefícios e riscos de cada um e descreve como a aparência física do paciente pode ser afetada de acordo com o tipo de técnica aplicada. 

Quando a mama é removida (ou o máximo possível), falamos sobre mastectomia

A operação na qual o câncer é removido, mas não a mama, é chamada de cirurgia conservadora. Lumpectomy e segmentectomy são tipos de cirurgia conservadora.

Geralmente, após esses dois tipos de intervenção, a radioterapia é aplicada para destruir algumas células cancerígenas que podem ter permanecido na área. 

Na maioria dos casos, o cirurgião também remove os linfonodos sob o braço para ajudar a determinar se as células cancerígenas entraram no sistema linfático. 

Hoje, o primeiro exame de gânglio de drenagem ou nó sentinela está crescendo

  • Na mastectomia, o cirurgião remove apenas o tumor e alguns tecidos saudáveis ​​ao seu redor.
  • Na mastectomia total(simples), o cirurgião remove toda a mama.
  • Na mastectomia parcial(segmentar) , o cirurgião remove o tumor, parte do tecido mamário normal que o cerca e a fáscia acima dos músculos torácicos abaixo do tumor.
  • Na mastectomia radical modificada, o cirurgião remove a mama, alguns linfonodos axilares e a fáscia que cobre os músculos torácicos. Às vezes, o menor dos dois músculos torácicos é removido.
  • Na mastectomia radical(também chamada mastectomia radical de Halsted), o cirurgião remove a mama, os músculos torácicos, todos os gânglios linfáticos sob o braço e alguma pele e gordura.

Por muitos anos, essa opção tem sido considerada o padrão para o tratamento do câncer de mama, mas hoje quase nunca é necessária, muito pouco é indicado.

Viver com câncer de mama

O diagnóstico de câncer de mama pode mudar a vida de uma mulher e de pessoas próximas a ela. Essas mudanças podem ser difíceis de lidar. 

É comum que mulheres, familiares e amigos tenham emoções diferentes e, às vezes, confusas.

Às vezes, os pacientes e seus entes queridos podem estar assustados, zangados ou deprimidos. 

Estas são reações normais que podem ocorrer quando as pessoas enfrentam um sério problema de saúde. 

Muitas pessoas encontram ajuda para compartilhar seus pensamentos e sentimentos com seus entes queridos. 

Compartilhar pode ajudar todos a se sentirem mais calmos. Isso pode abrir caminho para que outras pessoas expressem suas preocupações e ofereçam seu apoio.

Às vezes, as mulheres que sofrem de câncer de mama temem que as alterações sofridas pelo corpo afetem não apenas a aparência física, mas também a maneira como as outras pessoas reagem a elas. 

Pode haver alguma preocupação com o câncer de mama e seu tratamento que afeta seus relacionamentos sexuais. 

Muitos casais concluem que falar sobre esses problemas os ajuda a encontrar maneiras de expressar seu amor durante ou após o tratamento. 

Alguns procuram aconselhamento ou um grupo de apoio a casais.

Outras preocupações que os pacientes podem ter são manter um emprego, cuidar da família ou iniciar novos relacionamentos. 

A preocupação com testes, tratamentos, internações e contas médicas também é comum. 

Ajude-nos compartilhando com seus amigos

Deixe um comentário